Skip to main content

Sheri Vari

Reclusiva e enigmática, Mariana Cruz já teve algumas encarnações artísticas desde que começou a ser reconhecida como uma das mais talentosas dj’s de Portugal em 2003, um raro caso de uma jovem vitoriosa num meio misógino, infecto de uma presença masculina quase absoluta.

Pena

Com uma sólida carreira de dj a nível mundial, refletida em quatro Danceclub Magazine awards, headman da Flow, uma editora de renome e uma personalidade suave, Dj Pena é um dos líderes portugueses do movimento progressivo no mundo.

John-e

Com a sua experiência a tocar John-e ganhou raízes electrónicas Britânicas: tocando vários estilos musicais como por exemplo Break-beat, minimal techno, progressivo ou deep house, misturando um bocado de tudo.

HNRQ

Dj, nascido Lisboa no ano de 1986, desde cedo foi influenciado por vários estilos musicais e pelo mundo que o rodeia, a sua maior característica é a vontade de partilhar música e fazer pessoas dançar. Desde 2005 que HNRQ chama a atenção dos melhores clubs e festivais do país e o seu trabalho vai para além das pistas de danças trabalhando com reconhecidos artistas plásticos e designers de moda. A música de HNRQ não deve ser descrita deve ser ouvida, apreciada e dançada pela noite fora.

Emauz

Dj e Produtora a viver em Lisboa. O seu vasto espectro musical dá-lhe um jogo de cintura único no que toca a fazer “mexer” uma pista. Apresentadora do programa quinzenal ‘Em Transparência’ da Radio Quântica editou recentemente pelas editoras nacionais Labareda, Extended Records e Paraíso.

VIL

VIL é DJ e produtor de Lisboa, Portugal. Uma entidade orgânica que explora um terreno textural baseado em inspirações diárias do Techno, Electro e Breakbeat. Nas suas produções e djsets, VIL cria e dissipa a tensão, levando-nos através de um intenso, incerto e cinzento caminho do futuro, onde a energia flui lado a lado com a melodia. VIL também é uma das mentes por trás do Hayes Collective.

Kaesar

Kaesar, o inquieto, profundo conhecedor de música bem para além da electrónica que domina como poucos. De Norte a Sul tem feito dançar, em contextos do mais underground aos mais explosivos – como o festival Neopop em Viana ou o Universo Paralello no Brasil, país irmão que é a sua segunda casa. Mais do que presença, é uma inspiração. Referência da editora e promessa de festa boa, de bom balanço como o seu.

Cruz

A cara dele não é estranha, pois não. O que seria de 10 anos de Bloop sem os 10 da cruz dele? De caminho levado a fazer-nos divertir, dançar e fechar os olhos inspirados pela relação que alimenta com o vinil há mais de uma década? É homem da casa, responsável da editora e nome sublinhado nos mais importantes pousos da cena clubbing nacional e nos mais relevantes festivais de música electrónica do país.Ele promete oferecer-nos outra década bem dançada. Bem vivida. E palavra é palavra.

Radio Slave

Através do seu estilo único de produção, Matt conseguiu esculpir o seu próprio e distinto Radio Slave, que muitos tentam reproduzir e que o torna num remixer muito procurado. Como DJ, Matt tem tanta procura quanto as suas skills de produção.

Paul Ritch

As produções e performances de Paul Ritch, caracterizadas pelo poderoso e harmonioso techno com um toque de pura emoção, representam o seu verdadeiro som – que o projetou para um reconhecimento global. Sem dúvida, 2016 será transcendente para Ritch e, à medida que continua a crescer e atingir metas ainda maiores, não pára e sempre a fazer parte da cena mundial da música electrónica.